RONDÔNIA

Mal Acir lança Melki a deputado federal, o Donadon já sonha com os milhões das emendas

VILHENA- O pré-candidato ao governo de Rondônia, senador Acir Gurgacz (PDT) está reforçando o time para fortalecer a campanha dele. No última quinta-feira, 25, participou de um programa de TV local anunciando que o ex-prefeito de Vilhena e Colorado do Oeste, Melki Donadon, poderá disputar uma das oito vagas na Câmara Federal pelo PDT. Caso isto se confirme, Donadon deixaria o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) para ingressar nas fileiras pedetistas.

Acir Gurgacz: Melki reúne condições para disputar uma vaga de deputado federal

Para o senador, Melki reúne todas as condições para ser um bom representante da região do Cone Sul na Câmara Federal. “É uma pessoa que tem experiência política e administrativa, e representará Rondônia muito bem. Aliás, o Cone Sul precisa de um representante lá na Câmara Federal”, salientou Acir.

Por sua vez, Melki disse que um deputado federal pode conseguir quase R$ 50 milhões em investimentos para o Estado. “Os benefícios são necessários para ajudar os nossos municípios”, enfatizou.

Melki é o mais velho do clã Donadon (ele não gosta da palavra clã). É  irmão do ex-deputado federal Natan Donadon, condenado a oito anos de prisão por desvios de dinheiro da Assembleia Legislativa do Estado e de Marcos Antônio Donadon, foragido da justiça.

O que pesa contra Melki

No ano passado o juiz Rodrigo Gasiglia de Souza, da Vara Federal em Vilhena, impôs uma medida dura contra o ex-prefeito Melki Donadon: decretou a indisponibilidade de bens de sua família até o montante de R$ 3,9 milhões. Primo de Melki, o também ex-prefeito Marlon Donadon, recém formado em medicina na Bolívia, também teve patrimônio bloqueado em R$ 1,2 milhão.

Os dois políticos são acusados pelo MPF a repararem os prejuízos causados pela execução de obras na BR 364 em seus respectivos mandatos. Autor da ação de ressarcimento, “o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) colacionou robusto conjunto documental que instrumentaliza, cabalmente, provas da materialidade dos atos, evidências da autoria consciente, voluntária e deliberada nas condutas dos envolvidos, bem como dos efeitos patrimoniais nocivos ao erário, revelando a plausibilidade do direito (fumus boni iuris)”, conforme consta da decisão liminar do magistrado federal.

Em suas considerações, ao deferir a liminar impondo a restrição aos Donadon, o juiz acusou Melki de usar os próprios filhos como “laranjas” a fim de fugir da responsabilidade de reparar os danos cometidos. Em um trecho da decisão, Gasiglia escreve: “…sendo fato notório na região do cone sul do Estado de Rondônia que a família do réu Melkisedek Donadon ostenta padrão de vida e sinais externos de fortuna riqueza incompatíveis com a ausência de bens verificada nestes autos. Há, a toda evidência, blindagem patrimonial com a ocultação de patrimônio exequível em nome de ‘laranjas’, inclusive no núcleo familiar do atual cônjuge da gestora municipal desta urbe rondoniense”.

Além de impor a indisponibilidade patrimonial aos denunciados, a Justiça Federal também adotou medidas contra a Granja Vilhena, desconstituindo a personalidade jurídica da empresa fundada por Melki, que estaria, na visão do julgador, sendo usada para ocultar bens. Gasiglia lembrou que o ex-prefeito chegou a emancipar o filho mais velho, Melkinho Donadon, aos 17 anos, apenas para torná-lo sócio da firma.

De acordo com o magistrado federal, análise da Secretaria Federal de Controle Interno da CGU sobre as obras executados por Melki e Marlon aponta indícios de superfaturamento. O juiz aceitou incluir na ação, a pedido do município, a empresa GM Engenharia e Construções, responsável pelos serviços bancados com verbas federais, mas executados e pagos pelos ex-prefeitos.

Certeza da impunidade

Já se articulando para concorrer a deputado federal, Melki não sofre penalidades eleitorais em virtude desta ação. Isto porque os eventuais crimes cometidos já prescreveram, restando apenas a obrigação cível de repor os valores supostamente desviados dos cofres públicos.

 

Clique aqui e leia a sentença na íntegra

 

Texto: Mais RO com informações do Extra de Rondônia e de O Observador

Foto: Divulgação

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais acessadas

To Top